Mercado ótico no Brasil: um mercado em expansão

Mercado de Óticas

Written by:

O mercado ótico nacional está de cara nova: as tendências na moda fizeram o consumidor procurar óculos não apenas por necessidade, mas também de acordo com o design. Além da saúde, preço e formas de pagamento, o aspecto visual vem pesando muito na escolha dos clientes.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Ópticas (Abióptica), o setor cresceu 7,4% no Brasil em 2017, atingindo R$ 21,04 bilhões em vendas, evidenciando seu sucesso mesmo em tempos de recuperação econômica do país.

O bom retorno das franquias, o fortalecimento e a reinvenção do mercado ótico têm atraído os empreendedores para a área, fomentado investimentos e melhorias. Siga conosco na leitura e confira as oportunidades desse ramo em expansão!

Perspectiva do mercado ótico no Brasil

Uma pesquisa da Abióptica realizada com mil respondentes aponta que 36,7% das óticas esperam alta de mais de 25% no faturamento em 2018, denotando as boas expectativas do setor. Do total, 34,7% estão situadas no Sudeste, região que representa 47,7% da demanda de materiais e produtos do segmento.

Estimuladas pelos bons resultados almejados e projetados, bem como pelo sistema de franchising, muitas pessoas veem nas óticas uma oportunidade de abrir o próprio negócio.

A necessidade de poucos funcionários — 49,9% das lojas têm de dois a cinco colaboradores — e a preferência dos clientes pelas lojas físicas, mesmo na era digital, também são atrativos a quem pretende empreender no mercado ótico.

Trata-se de um forte setor da economia, com demandas próprias e um público exigente, principalmente no ramo de armações e lentes de grau, embora o óculos solar venha ganhando cada vez mais destaque, inclusive pelos designs em constante renovação.

Enquanto 14,6% das óticas faturam mensalmente mais de R$ 90.000,00, sabe-se que 28,7% obtêm faturamento entre R$ 30.000,00 e R$ 60.000,00. O valor médio de cada venda fica entre R$ 201,00 e R$ 600,00, evidenciando a infinidade de opções chegando ao mercado.

Enxergando o futuro

Estudos na Universidade de Houston mencionam uma epidemia da miopia, estimando que em 2050 metade da população mundial será portadora desse distúrbio de visão — atualmente, um terço das pessoas no mundo todo são míopes.

Embora a causa do fenômeno também seja atribuída a questões genéticas e muito tempo passado em locais fechados, a vida na era moderna dá perspectivas de que cada vez mais consumidores recorrerão às óticas.

O avanço tecnológico coloca todos em conexão, mas torna o uso de computadores, tablets e smartphones descontrolado. Tais aparelhos expõem o ser humano a uma luz artificial prejudicial à visão e, consequentemente, aumentam a necessidade de se utilizarem lentes corretivas.

O crescimento do mercado ótico no Brasil acompanha uma tendência mundial, consequência do comportamento humano na realidade digital.

Peculiaridades do ramo

Diferentemente do varejo (grandes redes de móveis e eletroeletrônicos), as óticas não perdem espaço para a internet, conforme já mencionado.

A preferência do público pelas lojas físicas ao invés do e-commerce é fomentada pela preocupação do consumidor com o modelo e qualidade das lentes e armações, existindo a possibilidade de provar vários óculos diferentes.

O produto que se espera encontrar vai acompanhar o indivíduo no cotidiano e será um diferencial no desempenho de suas atividades.

A internet ainda é aliada das óticas na hora de promover a marca: 39,4% delas utilizam esse meio de comunicação, segundo a pesquisa da Abióptica. Ainda para chamar a atenção do público, 57% delas afirmam realizar promoções mensalmente.

Além das estratégias de marketing, 69,1% dos profissionais no ramo acreditam ter como diferencial o atendimento e relacionamento com o cliente. Preço é o segundo fator indicado nessa avaliação, com apenas 13,9% dos apontamentos.

Logo, embora o consumidor seja atraído por valores, o fator humano se mostra decisivo na fidelização, sendo destacado inclusive pelos entendedores do segmento como de vital importância para a boa manutenção do negócio.

Outros dados da pesquisa corroboram tal entendimento: enquanto 45% das lojas de faturamento inferior a R$ 30.000,00 não investem em treinamento, esse índice cai para 31,6% naquelas cuja receita supera os R$ 90.000,00.

Esses percentuais revelam a importância de se investir em T&D no segmento, sendo que os empreendedores encontram nas franquias essa preparação e amparo para desenvolverem seu empreendimento em todos os âmbitos.

Pirataria

As benesses do mercado ótico são muitas, porém, ainda existem vilões a serem combatidos: 41% dos óculos vendidos no Brasil em 2012 eram falsos, porcentagem que subiu para 46% em 2016.

A comercialização de lentes e armações em camelódromos e no comércio informal atrai pela economia mas não compensa o custo-benefício. Embora os donos de ótica tenham noção disso, precisam ressaltar esse entendimento diante do consumidor para evitar que ele caia na pirataria.

Nada se compara à durabilidade, certificação e garantia dos óculos comprados em lojas formais, seguras, aptas a oferecerem produto e serviço confiáveis.

Quando uma pessoa está no sol, por exemplo, ocorre a dilatação de sua pupila e um óculos sem proteção eficiente contra raios UVA e UVB tem mais chances de degenerar a mácula, parte sensível da retina, e levar à catarata.

Um óculos é bom pela qualidade das lentes e conforto da armação, é bem de uso diário e por isso a importância de ter boa fabricação e procedência — enquanto as óticas propagam essa conscientização, a fiscalização se intensifica.

A relação com o cliente, já mencionada anteriormente, também é essencial para evitar a pirataria: verificar a experiência de compra com o envio de mensagem e avaliar a satisfação com o atendimento, por exemplo, fazem o consumidor se sentir valorizado.

Saúde e design no mercado ótico brasileiro

De acordo com a pesquisa da Abióptica, armações de receituários ainda correspondem à maior parcela de vendas no setor (50,2%), seguidas das lentes oftalmológicas (39,4%).

Saúde é muito importante, mas se os consumidores puderem aliar o uso ao visual, eles o farão. Experimente digitar “óculos Harry Potter” no Google: os resultados são vários modelos análogos àquele de grau popularizado pelo bruxo mais famoso do cinema.

Os minióculos estouraram como tendência entre as celebridades em 2018, mas em 1986 já havia produção cinematográfica lançando moda no mercado ótico: Tom Cruise no filme Top Gun usando os óculos de sol aviador.

A tecnologia, já mencionada neste artigo, promove a busca maciça por modelos específicos. Personagens na TV, no Netflix e no cinema se tornam conhecidos pelas roupas, sapatos, acessórios e cor de unha que utilizam.

Nas redes sociais, com os digital influencers, não é diferente: as fotos no Instagram propagam estilo de vida, hábitos alimentares e de consumo. Imagine a influência de uma dessas blogueiras, com três, cinco ou sete milhões de seguidores, divulgando uma marca ou objeto em suas publicações.

Portanto, pode-se dizer que os meios de comunicação em massa e os recursos midiáticos introduziram os óculos no universo da moda — o frisson pelos top bar, vintage, transparentes e de gatinho elucidam a popularização de modelos específicos.

Inclusive, muitos famosos, como Chris Flores, demonstraram interesse pelo mercado ótico, passando a fazer parcerias com marcas e até mesmo investindo em linhas próprias.

Da mesma forma que existem lentes para todas as necessidades — oftálmicas, de contato, bi ou multifocais, antirreflexo e antirrisco — há design para todos os gostos.

Investindo no mercado ótico

Seja por motivos de saúde e necessidade, seja de moda e estilo, o segmento tem lucros atrativos de todos os lados e prospecções promissoras a curto, médio e longo prazo.

O consumidor é dinâmico e a tecnologia no setor avança não só para atender a todas as exigências, mas também para surpreender com modelos novos que promovam o bem-estar, qualidade de vida, conforto e inclusão social do público.

Além da questão das tendências, os profissionais precisam se atentar, entre outras prioridades, à sazonalidade: no verão, por exemplo, os espelhados são mais procurados.

A perspectiva de crescimento fomenta um ramo competitivo, exigindo do empreendedor qualidade na entrega e constante atenção à demanda.

Caso queira investir em uma loja própria no setor, suas estratégias podem ser orientadas e seu serviço acompanhado de perto no sistema de franchising: você perpetua em seu empreendimento um modelo de negócio comprovadamente bem-sucedido.

Investir nessa modalidade também evita o desgaste de construir um projeto do zero, poupa tempo, dinheiro e coloca você bem-preparado e à frente no mercado ótico.

O MDO trabalha com grifes próprias, preços diferenciados, qualidade, produtos de ponta e atendimento especial. Procure a loja Mercadão dos Óculos mais próxima de você e venha entender a diferença que estamos fazendo nesse mercado em ascensão.

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.